quinta-feira, 5 de março de 2020

O que plantar no cultivo protegido?


O investimento numa estrutura de cultivo protegido é razoavelmente alto e uma questão importante para que o investimento se pague é a escolha da cultura e das variedades a serem plantadas. Antes de tomar a decisão o produtor deve pesquisar bem se há mercado para as altas produções geralmente alcançadas nesse sistema. Há algum tempo um produtor do interior de Goiás me procurou preocupadíssimo porque tinha investido R$100 mil  numa estrutura para o cultivo hidropônico de alface e só depois da primeira produção ele descobriu que não havia mercado para sua produção em uma pequena cidade interiorana de 7 mil habitantes onde, como ele mesmo disse, "todo mundo produz um pé de alface no quintal". 

A questão da localização também definirá que culturas escolher em razão das condições climáticas locais. O clima é o condicionante de maior importância para a produção hortícola. Em geral o problema no Brasil são as temperaturas altas alcançadas no interior de estruturas de cultivo protegido. Algumas variedades de tomate, por exemplo, não toleram bem altas temperaturas noturnas e não ficam vermelhas quando maduras, permanecem amareladas e talvez não consigam ser comercializadas. Altas temperaturas podem também ser um problema para variedades sensíveis de pimentão que sofrem com um alto índice de abortamento de flores. 

Regiões e épocas de alta luminosidade podem afetar a produção de mudas de alface, sendo necessário adotar-se alguma medida de sombreamento nesta fase. Por outro lado, o tomate costuma exigir grande quantidade de luz e locais com pouca luminosidade podem exigir iluminação artificial suplementar. Como a margem de ganho de produtos hortícolas normalmente é pequena, escolher espécies e variedades adaptadas às condições climáticas locais será menos oneroso do que a adoção de determinadas tecnologias que aumentarão o custo de produção.

Geralmente recomendo para o cultivo protegido espécies que alcançam um bom valor de mercado ou que tenham um ciclo curto o suficiente para permitir várias safras ao ano. Nicolás Castilla afirma claramente que "o objetivo do cultivo protegido é obter produções de alto valor agregado". No primeiro grupo estão o tomate, particularmente aquelas variedades consideradas nicho ou gourmet, como os tomates cereja e os italianos, melões nobres, pimentões coloridos, principalmente coloridos, mini-hortaliças, como as miniabóboras, morango. 

No segundo grupo estão as várias folhosas, como alface, rúcula, salsa, coentro, cebolinha. Não é demais repetir, a escolha da cultura deve estar alicerçada na existência de um mercado consumidor que absorva e remunere adequadamente uma produção de maior qualidade. Não adianta plantar coentro se o mercado só consome salsa. É necessário se prestar atenção no número de produtores dedicados a determinada cultura. Se todo mundo está plantando tomate, por que não plantar pepino ou pimentão?

O cultivo protegido não se presta apenas a hortaliças. Boa parte da produção de plantas ornamentais no Brasil provem de plantios em estufas e se destina à exportação. A região de Holambra, no interior de São Paulo, é um polo de produção de plantas ornamentais em ambiente protegido de alta tecnologia. Algumas regiões serranas do nordeste, como Garanhuns, em Pernambuco, e a Chapada do Araripe, no Ceará, também têm se dedicado ao cultivo protegido de ornamentais. 

Tem crescido também o cultivo de plantas medicinais, espécies condimentares, cogumelos e mesmo algumas frutíferas como mirtilo, uva e maracujá. Na Holanda já se produz banana em estufa, na Coreia até manga. Além destes cultivos, há sempre a possibilidade da atividade viveirista próxima a regiões com alta demanda por mudas de boa qualidade. A escolha do cultivo deve levar em consideração, além do mercado, a localização, as condições do ambiente circundante.

O produtor de cultivo protegido deve se preparar para o manejo adequado da cultura nesse sistema. O cultivo pode ser em solo, em substrato ou em hidroponia. Cada um dos sistemas tem suas especificidades e as culturas se adaptam de forma diferente. Cuidados especiais devem ser dados à escolha da estrutura de cultivo (túnel baixo, túnel alto, estufa), ao estado nutricional e de sanidade do solo e à composição da solução de fertirrigação ou à solução nutritiva. Para um aproveitamento adequado de todo o potencial do cultivo protegido as plantas devem ter conforto ambiental e receber todos os nutrientes essenciais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário